sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Opinião | Outlander - Nas Asas Do Tempo


  • Título Original: Outlander
  • Título Traduzido: Outlander - Nas Asas Do Tempo
  • Autoria: Diana Gabaldon
  • Edição: Casa das Letras, 2015
  • Páginas: 776: Literatura
  • Género: Literatura de ficção histórica

Sinopse:
Claire leva uma vida dupla. [...] Em 1945, Claire Randall, ex-enfermeira do Exército, regressa da guerra e está com o marido numa segunda lua-de-mel quando inocentemente toca num rochedo de um antigo círculo de pedras. De súbito, é transportada para o ano de 1743, para o centro de uma escaramuça entre ingleses e escoceses. Confundida com uma prostituta pelo capitão inglês Black Jack Randall, um antepassado e sósia do seu marido, é a seguir sequestrada pelo poderoso clã MacKenzie. Estes julgam-na espia ou feiticeira, mas com a sua experiência em enfermagem, Claire passa por curandeira e ganha o respeito dos guerreiros. [...] Vive-se um período excepcionalmente conturbado nas Terras Altas da Escócia, que culminará com a quase extinção dos clãs na batalha de Culloden, entre ingleses e escoceses. Catapultada para um mundo de intrigas e espiões que pode pôr em risco a sua vida, uma pergunta insistente martela os pensamentos de Claire: O que fazer quando se conhece o futuro?

Opinião:
Este é o primeiro livro da saga Outlander, de Diana Gabaldon, o qual já foi adaptado para série de TV.
A história de "Outlander - Nas Asas do Tempo" começa em 1945, onde conhecemos Claire Randall, uma ex-enfermeira do exército britânico, que depois da guerra se reúne com o marido de há quase oito anos, do qual passou quatro anos afastada após o casamento, Frank Randall, professor universitário enviado para o Treino de Oficiais no Serviço de Informações do MI-6. O casal decide ir para Inverness, nas Terras Altas da Escócia, com o objetivo de se afastar dos efeitos colaterais do conflito que se faziam sentir ainda nas grandes cidades ,e assim tentarem retomar a sua relação. Enquanto Frank se embrenha numa pesquisa genealógica que o leva a descobrir um antepassado, capitão da milícia britânica, que esteve destacado naquele local, Claire começa um estudo sobre plantas e os seus efeitos medicinais. Num dos seus passeios solitários, ela encontra um conjunto de pedras megalíticas e, ao tocar numa delas, é enviada para duzentos anos antes, mais precisamente para 1743. Confusa com o sucedido, Claire cai no meio de um conflito entre um grupo de rebeldes escoceses e a milícia inglesa, e dá de caras com o antepassado do marido, Jonathan Randall, mais conhecido como Black Jack Randall, a cara chapada de Frank, que a confunde com uma prostituta e a ataca. Ela é salva (ou melhor, é sequestrada) pelo clã MacKenzie, ficando sob suspeita de ser uma espia inglesa. Nesse momento, ela ajuda um dos escoceses do clã, o jovem James Fraser (Jamie) *suspiros :3*, e é o seu conhecimento médico e de ervas medicinais que lhe permite passar por curandeira e ficar a viver com o clã em Castel Leoch, escondendo a sua verdadeira origem e tentando sempre voltar ao círculo de pedras e regressar a casa.
Nesta história, não só vamos seguir Claire na sua aventura, como vamos também ver o "behind the scenes" do início da rebelião Jacobita (todos aqueles que queriam que Charles Edward Stuart subisse ao trono) que culminou na batalha de Culloden, em 1746. É ainda retratado o modo de vida dos clãs escoceses, as suas crenças e mitos, os seus valores e as fortes divergências entre escoceses e ingleses.
As personagens estão muito bem construídas, retratando aspetos pertinentes da sua época e dando a conhecer o pensamento corrente naquela sociedade. Claire destaca-se pelo seu caráter íntegro e forte, contrastante com o de Jamie, leal e destemido *mais suspiros :3*. Todo o clã MacKenzie mostra o tipo de lógica e estratégia utilizadas nos jogos de poder e os oficiais britânicos a cordialidade fria e dissimulada que lhes permitia executar o seu dever. Como tempo da história temos o século XX do pós-guerra, que é apenas mencionado pela narração de Claire, e o século XVIII na Escócia, onde se passa 95% da ação do livro.


Esteticamente, o livro é lindíssimo, apesar de achar que não remete para o local onde se passa a ação. As badanas contêm apenas a sinopse e a biografia da autora, sendo por isso bem simples. O livro está dividido em sete partes (e essas partes em capítulos), sendo que cada parte conta com uma página com um título e um pequeno desenho, igual em todas as partes. Este livro veio ainda com uma jacket com a imagem dos protagonistas da série. A única falha desta edição são os erros. Além de se perceber que foi claramente traduzido do português do Brasil para o nosso português, há repetição de palavras desnecessárias e algumas construções frásicas não são as mais corretas.
Em conclusão, eu simplesmente amei este livro. ♥ É enorme, a letra não é muito grande mas vale super a pena a leitura. A escrita da autora é muito acessível e prende-nos logo desde o início. A história é maravilhosa e envolvente no seu todo, as descrições quase nos permitem sentir como se estivéssemos ali, rimos e sofremos com as personagens e conseguimos facilmente criar empatia (ou antipatia) com elas. Está um pouco diferente da série de TV mas isso é normal acontecer, no entanto, o que lemos no livro é tão espetacular e fascinante como o que vemos na TV, senão mais (eu vi a primeira temporada da série antes de ler o livro). É daqueles livros que lemos e ficamos com vontade de reler. Existe a continuação desta saga mas este poderia perfeitamente ser um livro único na minha opinião.

Deixo-vos o trailer da primeira temporada. Podem ver à vontade porque não tem spoilers.

Outlander 1ª temporada


Obrigada por lerem! :)

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Quando (Quase) Tudo É Demais


Não podes verter de uma chávena vazia. Cuida de ti primeiro.

___

Esta frase é tão verdadeira quanto precisarmos de ar para viver. É fácil perder-mo-nos nos dias que correm - a alta velocidade! - e esquecer-mo-nos do mais importante.
Andamos a todo o gás, seja com o trabalho que não dá descanso, seja com a família que precisa da nossa atenção e dedicação, seja com as responsabilidades que vêm de brinde com a "adultez" e a gestão da vida quotidiana e isto acaba por tornar-se uma rotina que se prolonga durante todo o ano. Mas em épocas como a que atravessamos agora, onde muita coisa finaliza e tanta outra (re)começa, podemos ficar ainda mais sobrecarregadas(os) e aí, minhas caras amigas e meus caros amigos, o chamado "tilt" subitamente acontece. E dado o "tilt", não é que ainda mais stressadas(os) ficamos? Com tanto para fazer, simplesmente não encontramos energia para sermos proativas(os) e produtivas(os): os níveis de concentração baixam, esquece-mo-nos das coisas, cometemos mais erros, chegamos a meio do dia e estamos totalmente esgotadas(os) e, na maior parte das vezes, quebramos. Choro, mau-humor, impaciência... eh pah, vem tudo ao de cima nas piores alturas possíveis.

Se nos esforçamos tanto, porquê que as coisas não nos correm de favor? Onde falhamos? O que faltou?
Falhamos em nós. Faltamos nós.

Como podemos querer verter de uma chávena vazia e esperar que as outras chávenas, copos, taças, jarros, potes e panelas fiquem cheios?
O primeiro passo a dar deve ser em direção a nós mesmas(os). Priorizem-se. Tirem um dia, umas horas, uns minutos que seja para parar, respirar fundo e recarregar energias. Podem tirar uma sesta, sentar no sofá e beber uma bebida quente, receber uma massagem, tomar um banho de espuma, ouvir música relaxante, meditar, fazer exercício físico, telefonar a alguém com quem possam ter uma conversa leve e despreocupada, passear o cão, fazes festinhas ao gato, ficar a olhar para o peixe às voltas no aquário, dar uma volta pelo parque sozinhas(os), ver um filme/série na TV/laptop ou ir ao cinema, ir ao teatro, a um concerto, recital, ou seja lá o que for. Há imensas formas de cuidar-mos de nós, apenas precisamos ter coragem para o fazer. O mundo não vai parar só porque paramos para nos dar valor, o sol continuará a nascer e pôr-se da mesma forma, todos os dias, e a vida vai sempre trazer-nos novos desafios, novas aventuras, novas gratificações.

Sejam gentis para vocês mesmas(os), adorem-se, cuidem-se, tratem-se bem.
E lembrem-se: vocês são quem mais importa nas vossas vidas.


Obrigada por lerem! :)

domingo, 18 de dezembro de 2016

10 Coisas Felizes Esta Semana

Bom dia! Bom dia!
Esta semana foi uma boa semana. Sabem porquê?
Porque todas as semanas são boas semanas!*
\o/


1. Decorei o meu quarto com motivos natalícios. Jingle bells, jingle bells...

2. Passei pela Jo Malone, deliciei-me com as fragrâncias dos perfumes e das velas (acho que vou assaltar um banco p'ra comprar a vela de Peony and Blush Suede) e depois regalei-me um gingerbread latte do Starbucks.

3. Fui passear pela baixa do Porto sozinha e lanchei um doughnut e um hazelnut cappuccino do Moustache bem bons.

4. Comprei a prenda de natal da mamã.

5. Isto pode parecer ridículo mas eu fico mesmo feliz de cada vez que bebo chá (nos últimos dias, o que me tem sabido pela vida é o Earl Grey).

6. Tenho assistido a Coffee Prince (drama coreano) e também a imensos vlogmas, o que acaba por ser giro. xD

7. Estou a voltar à rotina de tratamento de rosto e corpo, i.e., usar os séruns, cremes, máscara e exfoliantes que estavam a ganhar pó, lol.

8. Tenho lido bastantes mangas yaoi fofos e lindos e maravilhosos.

9. Estou a voltar, em passinhos de tartaruga manca, às caminhadas e yoga porque...

10. ...depois de quase 3 semanas (sim, 3 semanas) doente, estou a ver melhoras significativas. Uhuuu! \o/


A minha semana foi assim. E a vossa?

Obrigada por lerem! :)

___
* adaptado de "Good morning! Good morning! It's gonna be a great day. Do you know why? Cause everyday is a great day!" - Marke Miller

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Christmas Carol

❊❊❊

" I'm dreaming tonight of a place I love
Even more than usually do
And although I know
It's a long road back
I promise you

I'll be home for Christmas
You can count on me
Please have some snow and mistletoe and present under the tree
Christmas eve will find me
Were the love light gleams
I'll be home for Christmas
If only in my dreams

Christmas eve will find me
Were the love light gleams
I'll be home for Christmas
If only in my dreams "

❊❊❊

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Recantos Deliciosos - Hard Rock Cafe Porto

Hei malta! Hoje vim aqui falar-vos um pouco da minha experiência no famoso Hard Rock Cafe, que agora existe cá no Norte.


Fomos lá no passado sábado dia 10 (quando digo fomos refiro-me a mim e às babes Viv e Dani). Estávamos todas a precisar de uma pausa e de passarmos um tempinho de qualidade juntas, e digo-vos que não podia ter sido uma noite melhor! Temos por costume estar juntas por esta altura do ano, passear, comer coisinhas boas e trocar prendinhas, é o nosso "ritual" de Natal, se assim posso dizer, portanto este ano não seria diferente.

Lembrei-me que seria fixe experimentar-mos o tão afamado Hard Rock Cafe e ver se seria assim tão bom quanto se diz por aí. Ele fica na Rua do Dr. Artur de Magalhães Basto, ali quem vai dos Aliados para a Rua da Fábrica, estão a ver?!

Pois bem, chegamos lá ainda cedinho (umas 18h e pouco talvez) e fomos logo levadas pelo Gaspar até uma mesa bem aconchegante. O ambiente é super descontraído, totalmente decorado com motivos rock dos anos 70, 80 e 90. Algumas peças usadas por artistas de renome estão exibidas com destaque pelos vários pisos do prédio do século XIX recuperado. 




O Diogo veio dar-nos as boas-vindas e mostrar-nos o menu que o Hard Rock oferece. As bebidas vieram primeiro: escolhemos Hurricanes, dois de morango com manjericão e um com Jack Daniels. Pouco tempo depois vieram os pratos principais: Hickory Smoked Ribs pra Dani, um Mushroom & Swiss Burger pra Viv e um Veggie Leggie pra mim. Batatinhas, chilli de feijão e salada de vegetais foram alguns dos acompanhamentos do nosso maravilhoso jantar. Tudo estava para lá de delicioso!

Viviana, Margarida e Daniela

O jantar correu da melhor forma possível. Eu estava eufórica (apesar de não ter bebido álcool xD). Falamos imenso, brincamos, rimos, cantamos (ou melhor, eu cantei ao som de Prince, Bad Company, Smashing Pumpkins e outros mais xD). A Inês e o Pedro vieram também dar-nos as boas-vindas e deixaram-nos mesmo à vontade, entre brincadeiras e sugestões. A Viv até recebeu um abraço porque não gosta de chantili xD looool A Dani também queria um abraço mas por outro motivo xD hahahaha Foi SUPER-DUPER FUN! No final, ainda trouxemos de presente os copos e as guitarras de enfeite hehehehe :P

Também fomos ver as luzinhas da árvore de Natal e dos enfeites na avenida. Boa comida, boa bebida, um ambiente do melhor, fotos desfocadas, selfies, coisas random escritas no bloco de notas da Viv, risadas, tudo isto e muito mais tornaram aquela noite num dos melhores momentos do meu ano.


E vocês? Quais são os vossos rituais natalícios?

Obrigada por lerem! :)

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Update! (kinda...)

Hi everyone! Yap, I´m alive! *shock*

Para quem queria tentar levar esta cena de blogar mais ou menos a sério, posso dizer que falhei redondamente! xD
Anyway, o que aconteceu, muito sinceramente, foi falta de inspiração com a vida a meter-se no meio e a preguiça de continuar/recomeçar a escrever e a partilhar experiências aqui no Novem.
Já estamos no final do ano (WOW! O.O) e nesta altura quase todas(os) as(os) vloggers andam com o Vlogmas ao rubro. Para quem não sabe, Vlogmas é o nome que os youtubers dão ao facto de fazer vídeos diários durante o mês de Dezembro, onde mostram como são os seus dias na contagem para o Natal.
Truth be told, eu até gosto de ver daily vlogs e vlogmas e fico com o bichinho de querer também fazer vídeos e exportá-los para o youtube mas ao mesmo tempo penso que não seriam vídeos muito interessantes, então a vontade adormece novamente até assistir ao próximo vídeo, já para não falar que penso que seriam um grande fail (tendo em conta que nem este blog foi consistente em matéria de postagens).

Mas ora muito bem, falemos daqui do blog e do que fazer a seguir.
Para ser sincera, não sei bem o que fazer com o Novem: recomeço, continuo, desisto, deixo em stand by... Estou mesmo confusa quanto ao que fazer.

Se tiverem sugestões, please, deixem nos comentários deste post. Seja "siga" ou "já chega", seja temas, seja o que vos passar pela cabeça, agradeço qualquer insight que me possam dar.

Obrigada por lerem! :)

quinta-feira, 12 de maio de 2016

Faculdade - A Minha Experiência

Com a altura das festividades académicas aí, não há como não recordar os anos que passei na faculdade. Vou tentar não me alargar muito senão passaria horas a contar pormenores de mais de 5 anos de "estudo". xD

Fonte aqui

Posso dividir a minha experiência académica em três partes:
  • quando fui pela primeira vez para o ensino superior, para a Universidade de Aveiro;
  • quando fui para a licenciatura da ESE
  • e quando fui para o mestrado.

Primeira parte:
Começando pelo começo, Aveiro não foi a minha primeira escolha mas fui lá parar depois de escolher, meio que aleatoriamente, os cursos para os quais tinha média e que pareciam minimamente interessantes (e com alguma saída profissional).
Estive dois anos lá, num curso afluente de direito. Ia e vinha de comboio, preferia a viagem a ter que gastar dinheiro em estadia. Fui para a praxe mas não achei piada nenhuma, principalmente porque havia bastante discriminação na minha turma, sendo que os estudantes que lá viviam eram muito mais próximos uns dos outros e saíam várias noites por semana para não fazerem mais nada a não ser "apanhar a piela". Depois do Aluvião, deixei de ir à praxe e lá continuei na minha vidinha pacata de estudante universitária.

 
Mas, apesar de gostar da Universidade, da cidade e da maior parte das cadeiras (disciplinas), a meio do segundo ano vi que aquilo não era para mim. Assim, no final desse ano, não renovei a matrícula para o terceiro e último ano do curso. Em vez disso, fui fazer novas provas de ingresso como aluna externa e concorri para um curso de línguas no Porto. E isso leva-nos à segunda parte.


Segunda parte:
Entrei na segunda fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior, no único curso ao qual me candidatei. Foi mesmo "ou é, ou não é!". Não fui para a praxe quando entrei na ESE. Comparando o modus operandi entre ESE e UA, mais valia ter feito a praxe em Aveiro. De qualquer forma, foi talvez a decisão de não ir à praxe que me levou a aproximar-me de pessoas fantásticas, com quem partilhei muitos bons momentos durante esses três anos. As minhas parigas. <3 O curso foi relativamente ligeiro, até certo ponto, depois começou a complicar, mas nada que um pouco de esforço não resolvesse. Em três anos tinha a licenciatura feita e melhor do que isso, amizades que perduram até hoje. ♥ Cartolámos e fomos para o cortejo e para a Queima das Fitas, com as nossas cartolas e bengalas azul bebé e cor-de-rosa bebé.



Terceira parte:
Terminada a licenciatura, o que fazer? Procurar emprego era a opção lógica mas preferi experimentar o mestrado em ensino de línguas. Digamos que foi uma experiência da qual devo retirar muitas lições (o jogo de palavras não estava programado xD). Algumas das cadeiras eram a pura seca: nunca me esquecerei do professor de Teoria da Educação, um tipo super porreiro mas que dava matéria super chata. Não me lembro de uma vírgula das aulas dele, mas lembro-me bem de ficar a espreitar os alunos de artes sentados à minha frente a adiantar os seus trabalhos artísticos nos notebooks enquanto fingiam ouvir o professor. E depois as noitadas de sexta-feira no bar perto da faculdade, onde as meninas pediam vodka preta mas quem acabava por beber tudo era eu. xD No entanto, esses colegas não se tornaram amigos. Nem sempre acontece, não é?
Enfim, o primeiro ano foi bom no geral. Fiz estágio num colégio religioso, juntamente com uma colega de turma e com um dos meus melhores amigos para a vida, o meu Peter Pan ♥ , e os pequenitos com quem trabalhamos deixaram saudades até hoje.

 
O segundo ano foi um desastre, com direito ao meu primeiro ataque de ansiedade e consequente desistência do curso. Não foi só por causa disso, aliás, penso que isso foi resultado de todo um conjunto de situações que os adultos costumam lidar mas que não deveriam sequer existir. Não tenho estômago para certas coisas e engolir sapos não é, definitivamente, uma delas, assim como não é deixar que me atirem areia para os olhos e não fazer nada. Nisso, a ESE tem bastante culpa. Digo abertamente que aquela escola não tem consideração pelos anos. Quanto ao estágio que estava a fazer na altura, fiquei com pena de não o continuar e de deixar as minhas duas turmas de 8º ano. Eram uns queridos, cada rufia à sua maneira. :) Tenho saudades deles também.


Resumidamente, esta é a minha experiência no ensino superior. Escusado será dizer que o ponto forte foram as amizades criadas durante esses anos "loucos".

Vocês estão a frequentar ou frequentaram algum curso superior? Como resumem a vossa experiência?

Obrigada por lerem! :)

segunda-feira, 9 de maio de 2016

In LOV Maio ♡



O LOV ♡ está aí e para o mês de maio recomendo:


L(er) - A Filha dos Mundos, de Inês Botelho

"A Filha dos Mundos" é um livro juvenil que nos conta a história de Ailura, uma jovem que é transportada para um reino mágico onde se vê confrontada com a necessidade de ajudar o povo que lá habita a combater um feiticeiro do mal. Durante a sua aventura, irá descobrir todo um mundo que só imaginava possível nas histórias infantis e também a verdade sobre si e a sua família.


O(uvir) - The Paper Kites


Tropecei nesta banda australiana há pouco tempo e estou apaixonada pela música deles. O seu estilo é indie rock, logo as suas músicas são super cute e com "cheiro" de primavera. Uma das que mais tenho ouvido é "Woodland".



Baseado no livro de Ane Rice com o mesmo nome, "Entrevista com o Vampiro" é o testemunho de Louis, um vampiro com 200 anos, a um repórter de rádio. Nas poucas horas em que passaram juntos num quarto de hotel em São Francisco do século XX, a história de Louis é relatada desde o momento em que "nasceu para a escuridão", como se refere à sua transformação para vampiro, até àquele momento.
Esta adaptação de 1994 conta com os desempenhos notáveis de Tom Cruise, Brad Pitt, Antonio Banderas e Kristen Dunst.


Obrigada por lerem! :)

terça-feira, 26 de abril de 2016

Diário Fotográfico - Um Dia Em Versalhes

Bonjour, bonjour! :)
Hoje é dia de visita guiada através do maravilhoso Palais de Versailles!
Bora lá?

Jardim do Laranjal


Ainda no clima da série que vos apresentei na semana passada, lembrei-me de partilhar um throwback de quando fui visitar o Palácio de Versalhes, no verão de 2011.
As fotos desse dia são imensas e mesmo assim não fotografei tudo, tenho certeza, no entanto reuni algumas que penso serem suficientes para sumarizar a visita e que vos podem dar um gostinho daquele lugar.


Entrada de Versailles


Algumas partes do palácio estavam a ser restauradas, por isso o painel da direita.

Interior do Palácio

Evolução do alargamento do palácio (decretado por Louis XIV)

Louis XIV

Marie Antoinette - esposa de Louis XVI


Abóbada da Gallerie des Glaces (Galeria dos Espelhos)

L'inconnue xD (A desconhecida)

Quarto da Rainha


Quarto do Rei









Jardins






Sai muita palhaçada nas fotos quando se está feliz demais xD

Parterre de Água

Fonte Latona

Fonte de Apolo

Grand Canal

A caminho do Grand Trianon


Grand Trianon


Grand Trianon (onde o Rei Louis XIV costumava passar algum tempo longe da corte com a sua amante)

Petit Trianon e o Estado de Marie Antoinette

Petit Trianon
 
Pavilhão do jardim francês


Estado de Marie Antoinette (construído como refúgio da rainha, era habitado por pessoas que levavam uma vida simples)

Uma das casas da aldeia com moinho de água









A aldeia funcionava tal qual as restantes aldeias de França fora de Versailles



Isto deu-me imensas saudades rever estas e outras as fotografias. :3 Quero mesmo muito voltar lá, visitar mais partes deste lindíssimo lugar e voltar a registar tudo em fotos e vídeos.
Espero que tenham gostado deste diário fotográfico. Penso ter conseguido fazer um resumo beeeem resumido do que há para ver em Versailles.

Ficaram com vontade de lá ir ou de lá voltar? Qual a vossa parte favorita?


Obrigada por lerem! :)

segunda-feira, 25 de abril de 2016

Opinião | O Principezinho



  • Título Original: Le Petit Prince
  • Título Traduzido: O Principezinho
  • Autoria: Antoine de Saint-Exupéry
  • Edição: Relógio D'Água Editores, 1995
  • Páginas: 95
  • Tipo: Literatura infantil

Sinopse:
"O Principezinho" é a história de um rapaz que vivia só num planeta pouco maior do que ele. Um dia partiu em viagem pelo Universo, conhecendo o estranho mundo dos adultos, numa série de encontros extraordinários, que nos falam da avidez, da ambição ou do ridículo, mas também da amizade, do amor e da separação.

Opinião:
Saint-Exupéry escreveu este livro como uma história de crianças mas, de facto, este livro é bem adulto. Atrevo-me até a dizer que este livro foi escrito para adultos, para que eles se revejam na história e que encontrem de novo a criança que um dia foram. O texto está carregado de significado, mensagens importantes e valores, facilmente detetáveis e compreendidos. O discurso é tão simples que parece feito por uma criança. Não tem nada de infantil, apenas é simples, é direto, é claro e é óbvio, como o discurso das crianças. De facto, é um livro que toda a gente deve ler e reler ao longo da vida, pois acredito que trará algo novo em cada fase diferente em que nos encontremos, já que tem tantas mensagens sobre tantos aspetos da vida e do ser humano.  A edição é antiga e o livro pertenceu a alguém que desconheço. No interior existem ilustrações e a capa é uma delas, com o protagonista em destaque. A fonte é bastante boa e a forma como o texto foi arranjado facilita imenso a leitura.

 
A sua leitura foi rápida e fácil mas não fiquei tão maravilhada como muita gente diz ficar. Entendi o que me foi transmitido, reconheci a sua importância, e a sua carência de exercício no mundo atual, mas não foi tão arrebatador quanto imaginei que seria. Talvez precise de tempo para que isso aconteça ou, simplesmente, estou mais alerta para o que se passa à minha volta do que outras pessoas e por isso não "acordei" com esta leitura. Ou então preciso ainda de amadurecer mais e numa releitura futura irei encará-lo com outros olhos. Ou então não sei. Gostei mas não amei, porém convido a que façam esta leitura.

Este livro foi recentemente adaptado para filme. Ainda não vi então não sei se ficou bom ou não, o que sei é que mistura dois tipos de filmagem, se é que se pode dizer assim, e que é o aviador a contar a história do Principezinho a uma menina que acabou de se mudar para a casa ao lado da sua.

Trailer do filme (2015)




Obrigada por lerem! :)

sábado, 23 de abril de 2016

10 Coisas Felizes Esta Semana

Bom dia! Tenho a dizer que esta semana foi muito parada e quase não me lembro de nada do que aconteceu. :/ Memofante. Mesmo assim, deixo-vos uma listinha bem aleatória de algumas coisas de que me lembro e que, de alguma forma, foram coisas felizes.


1. Vendi um livro que já não queria no olx! \o/

2. Comprei livros em segunda mão que queria! Uns com entrega em mão e outros estão para chegar via ctt (espero).

3. Nada como enviar uma carta com pequenos mimos sem a pessoa contar, né? :3 E que bom que a pessoa gostou! ♥

4. A minha mãe apareceu no meu quarto um dia deste e começou a "fazer flexões". Ela não sabe fazer flexões. Foi a risota total. Depois disso, tentou abdominais. Vá, melhorou um pouco. Resultado: anda tudo doido cá em casa. xD

5. O sol (semi) voltou! Ele deu as suas caras esta semana, mesmo que por breves momentos apenas. Mas a sério, sol, és bem-vindo, só não aqueças demasiado, ok? :p

6. Esta semana foi semana de enviar e-mails para editoras a pedir que editem determinados livros. No post de ontem consta um dos livros pedidos nesses e-mails.

7. Voltei a ver OUAT e quero um episódio todos os dias, pleeeeease!

8. Domingo passado foi dia de tarte de limão. A receita está aqui no blog. Vão dar uma olhada se ainda não o fizeram. :)

9. Participei em alguns passatempos livrólicos, uns através do facebook, outros em blogs e outros no instagram. Desejem-me sorte!

10. O meu pai ajudou-me a engendrar uma marosca para conseguir manter os meus livros em pé na prateleira. Eles não têm onde se segurar, por isso uma ripa fina entre uma prateleira e a outra está muito bem a fazer de segura-livros. xD


Foi isto que me lembrei de partilhar. Deixem nos comentários quais foram as vossas coisas felizes desta semana.


Obrigada por lerem! :)

Disclaimer

Nenhuma das publicações deste blog onde são referidas marcas, aplicações, locais, entre outros, são pagas ou patrocinadas, salvo quando indicado o contrário na publicação.